No Sopé da Montanha o Arbusto Verga mas não Quebra

Todas as Descrições são Pecaminosas

terça-feira, outubro 16, 2007

No Onde te Perdi...

No fundo da estrada,
Tudo é mesmo nada
Nada sei de onde vim
Nada sei para onde vou
Desde o norte ao desnorte
Vivo um pouco à sorte
Pedi à lua uma rima
Saiu-me um verso solto
Eu fiquei que nem morto
Sai na pista do teu olhar
Nem quis acreditar …
Deixaste de me amar
Foi enorme o embaraço.

Cavado o meu fracasso
Senti-me palhaço

4 Comments:

  • At 16/10/07, Blogger Roberto Passos do Amaral Pereira said…

    Parabéns pelos versos!

     
  • At 19/10/07, Anonymous Mel de Carvalho, www.noitedemel.blogs.sapo.pt said…

    Subi ao Sopé da Montanha, vim beber da seiva mágica destes teus poemas.

    Desço agora, deixando aquele abraço fraterno e tão amigo.

    Beijinhos
    Mel de Carvalho

     
  • At 22/10/07, Blogger impulsos said…

    E onde terá sido mesmo?
    Algures no espaço
    Que fica pendurado
    Entre o ser
    E o parecer...
    No que era
    No que deveria
    Ser...
    E no que realmente é!
    No fim
    Restam apenas os estilhaços
    De um vidro frágil
    Com que a alma se vestia...

    Beijo poetisa da ilha

     
  • At 24/10/07, Blogger Professorinha said…

    Quando acaba o amor.. o que fica?...

    Nada?...

    Fica bem...

     

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home