No Sopé da Montanha o Arbusto Verga mas não Quebra

Todas as Descrições são Pecaminosas

quarta-feira, julho 11, 2007

Dores de Peito




Entrei aqui,
Ainda não foi desta
Que os teus olhos vi
Procuro não pensar
Quando te encontrar
É longa, muito longa,
A espera de ti

Há saudades nos meus olhos cansados
Meus dias sombrios e desabitados
Perscrutam a linha do horizonte
Tragam os ventos alvíssaras de ti

Calem-se os rios,
Os mares estridentes
Que eu escuto os céus,
presságios de mim,
Me tragam novas de ti

Grande é a esperança
Num tempo de bonança
Sentindo-te em segurança.
Espero numa espera sem fim
Alvíssaras de ti
10/7/07

3 Comments:

  • At 16/7/07, Anonymous Rosa Maria said…

    Leio-te...e abraço-te...
    Sentiste.. :) ?

     
  • At 17/7/07, Anonymous Patrícia said…

    :)
    Tá quase.

     
  • At 31/7/07, Blogger impulsos said…

    Há esperas que valem a pena!
    Ao fim de uma infinidade de dias em que o olhar se perde no horizonte da longa espera... eis que surge o momento tão ansiado e o desejo se torna realidade, ali... no momento daquele abraço apertado!
    E os olhos riem e o coração dispara de alegria infinita...

    Um beijo

     

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home