No Sopé da Montanha o Arbusto Verga mas não Quebra

Todas as Descrições são Pecaminosas

domingo, fevereiro 07, 2010

De(sencontros)

Houve um tempo,
Um nós nos habitava
De palavras supurantes
De olhares cativantes
De almas penhoradas
Em juras entrelaçadas

Éramos
Eu e Tu uma vida transviada
De amores loucos e pecados
Em lençóis azuis acetinados
Meu pródigo barco de recreio
Luxúria dos meus sentidos
Onde tudo era perfeito

Hoje entre nós
Há silêncios e nada mais

Olhares desviados magoados
Feridas supérfluas doridas
De lençóis de cores trocadas
Confianças, lealdades caiadas
Quartos, sítios, camas trocadas
A chama da paixão extinta
Sorrisos tristes apagados
Sem a fé no teu olhar

Hoje
descrente me tornaste
assinante de um amor
transformado na mais
profunda ilusão...

3 Comments:

  • At 18/7/10, Anonymous aflordapele said…

    Enquanto a ferida,ainda que dorida, é apenas supérflua, quem sabe ainda se consegue ir resgatar um pouco do carinho do passado, ajudando a cicatrizar... quem sabe depois de cicatrizado não é mais fácil reacender o que julgamos extinto...?
    Mas, seja como for, nunca deixe de acreditar...

     
  • At 10/10/10, Anonymous Anónimo said…

    Concordo em gênero, número e grau, com o que este ser boçal aí de cima deixou nos comentários.

    Saudações,
    Medina

     
  • At 22/10/10, Blogger http://wwwjuvepereira.blogspot.com said…

    Exmo Sr. Anónimo se não tem coragem para assumir a sua identidade pelo menos seja educado e não apelide os outros ...

     

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home