No Sopé da Montanha o Arbusto Verga mas não Quebra

Todas as Descrições são Pecaminosas

sábado, maio 03, 2008

Filhos de Um Amor Incerto



E tantos eram os sonhos
E o quanto eu te quis feliz
E o quanto te sinto coitado

Sonhos e sonhos traçados
Desígnios, sorridentes
Amanhãs florescentes
Corações abraçados

A vida que corria bem
Teu sorriso de encantar
O bastante para cativar
O brilho do meu olhar

E agora filho meu!
Ai, o mal que pressinto
A rotina dos teus dias
Mais do que ocos vazios
A fé em coisa nenhuma
E essa maldita cocaína
Um presente envenenado
Um idiota te ofereceu
E teu mundo esvaneceu

À droga madrasta
Te tornaste obediente
Eleita para confidente
Ladra do meu doce amor
Perpétua é a minha dor

Filho da droga
Mais dela que meu
Não me ouves não me vês
Sinto, perder-te de vez

De mãos erguidas, te peço
Volta para mim, outra vez
Volta a mim o teu olhar
Volta à vida, ao amor
Ensinar-te-ei a andar
E voltarás a sonhar
30/4/08

4 Comments:

  • At 6/5/08, Blogger Professorinha said…

    Quando temos algo a ensinar e alguém quer aprender, tudo é mais belo...

    beijos

     
  • At 6/5/08, Blogger Professorinha said…

    Quando temos algo a ensinar e alguém quer aprender, tudo é mais belo...

    beijos

     
  • At 12/5/08, Anonymous Madalena said…

    Perder um filho é dor imensa. Vê-lo sofrer é dor ainda maior e nada poder fazer rasga nossa alma em gritos. Nosso amor é a unica arma e é com ela que devemos combater as dores da vida. Não desistir nunca! Beijo

     
  • At 14/5/08, Blogger impulsos said…

    Já o tinha lido além...
    Como lá o disse, este poema mexeu comigo, pois sei dar o valor a quem deste mal não se consegue livrar.
    É duro e destruidor. Destrói a casa e a vida a alma e o amor...
    Um abanão em quem o deveria ler, pena que não o leiam.

    Beijo

     

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home