No Sopé da Montanha o Arbusto Verga mas não Quebra

Todas as Descrições são Pecaminosas

quarta-feira, dezembro 06, 2006

Reinvenção



Ser do meu ser
Pediste-me amor
Escudei-me na dura dor
Como medo de sofrer
Barreiras fiz descer

Mas de mansinho
fizeste-me sentir
O quanto esmorecias
De/vagar, foi crescendo
A emoção de ti em mim

Louco foi o amanhecer
Longo o amadurecer
Ser do meu ser
Foi bom te conhecer
Ainda que meu seja,
O teu sofrer …

Como poderei esquecer
O brilho do teu olhar
Que ao mundo vi nascer
E revolveu todo o meu Ser
Que procuro enaltecer

Seja minha imortalidade
Seja minha condição
Seja minha salvação
Seja minha, tua dor
A força do teu crescer

Posto que, o teu viver ?
Como o poderei esquecer

Deu-me um ignoto deus uma vida
para te amar e te enobrecer
Alegrias me darás
Vendo-te viver
6/12/06

1 Comments:

  • At 8/12/06, Blogger Silêncios said…

    Feliz de ti, minha querida, e de quem vive para alegrias te dar...

     

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home